29 de out de 2009

de rotina ja me basta todas as semanas, porra

eu to afim de escrever sobre alguma coisa, mas ainda não sei o que.

na verdade to na expectativa desse feriado. to a semana inteira afim de tomar umas cevas durante a tarde inteira. fumar uns baseadinhos e ficar atirado na sala conversando merda com a trupe. depois sair na noite, e ai nunca se sabe o que vai acontecer. pode ser tudo ou nada. eu prefiro o tudo e as vezes não me lembrar de nada.

ando vendo a trupe bastante esses últimos meses. ta bacana pra caralho. quando não aguento mais porto alegre, me atiro dentro dum ônibus e duas horas depois já to na cidade da tribo fumacê. mesmo que ficar dois dias lá já me encha o saco novamente, pelo menos tem o pessoal. E as tardes inteiras sentados na frente da locadora olhando as bundas que passam por ai.

Talvez a trupe venha de bando pra cá esse feriado e ai eu não sei muito bem o que pode acontecer. melhor assim, não? de rotina já me basta a semana inteira.

26 de out de 2009

zero horas de sono em dois dias (ou bate e volta c. barbosa - porto alegre)

que deus me perdoe pela ressaca. São nove horas da manhã e eu to aqui, apoiado num confessionário pagando todos os meus pecados ouvindo essa missa. Sabe como é, me tornei padrinho 11 anos atrás e participar da primeira comunhão da afilhada faz parte disso também. Não posso reclamar, as poucas vezes que encontro com ela me divirto um bocado, e afinal, uma puta ressaca pode agüentar uma missa, não é não?

a noite de ontem foi foda. Misturou aquelas noites em que ta tá prestes a sair, mas tudo em volta te diz pra ficar. E ai tu sai e a primeira garrafa de cerveja ainda não desce como deveria descer e os papos com os amigos não rolam como deveriam rolar e tu fica atirado num sofá pensando que hoje a noite não ta prestando. Mas ai o estômago começa a trabalhar, tu vai digerindo tudo que aconteceu antes e a cerveja já escorre muito mais fácil dentro de ti e as risadas começam a surgir e tu resolve levantar do sofá, colocar um som alto e pá! aparece alguém com a ideia de ir pro bar. é sacana essa noite, ela te testa pra ver se tu merece sair com ela ou não.

e é ai que ela aparece pra ti, quando ela saca que tu ta nela mesmo com tudo girando contra. E ela vem em forma de sinuca, ou de drogas que te deixam uma pilha, ou drogas que te fazem dormir e rir. Recompensa, ela te recompensa por ter deixado a desconfiança pra trás e saído mesmo pensando que não deveria. E tem vezes que a recompensa é demais.

- perdido ai?

- perdido, eu? há muito tempo...não lembro de ti.

- não, tu nem me conhece na verdade.

- prazer então.

- hehe, prazer

- ....

- ....

uns goles na cerveja, o amigo que te cutuca ao lado.

- quem é essa mina meu? Gata pra caralho.

- não sei também velho.

e tu volta pra falar com a garota e ela já foi embora. A noite te presenteia, mas tu tem que desempacotar o embrulho sozinho. E rápido, antes que alguém faça por ti.

nunca me dei bem com as garotas mesmo. Essa história de chegar puxando assunto e ai tem que cuidar pra não dizer tudo que pensa, porque, provavelmente, ela se espantaria com a quantidade de besteiras que seriam. Ou não, vai que ela pense as mesmas porras que eu. Mas ai a cabeça mergulhada na mistura de drogas para dormir e rir e drogas que te deixam uma pilha fazem efeito acabo pensando de mais na minha viagem, e esqueço de falar qualquer coisa. Mas tudo bem, só mais uma noite sozinho é o máximo que pode acontecer.

e a missa acaba. Mas o gosto na boca e a dor de cabeça da ressaca não. E como já são quase meio-dia, um almoço pra celebrar o corpo de cristo que invade mais uma pessoa é inevitável. Não vou reclamar, faz alguns dias que ando a base de miojo com salsicha. Mas é muita comida, não consigo nem olhar praquele monte de carne com queijo e molhos diversos, ou aquela massa, as batatas fritas altamente gordurosas, puts é muita comida pro meu estado físico e mental. E ai vem o momento crucial, as bebidas. Porra, de cara pensei na história que o bruno bandido sacou. Algo como “só um bêbado pra achar uma boa ideia continuar a beber pra não passar mal pela ressaca.” E nesse dia eu era um bêbado e achei aquela história nem um pouco idiota. Uma cerveja, por favor.

zero horas de sono em dois dias, era esse o estado que eu estava quando começou o grenal. Puts, futebol sem cerveja não é futebol, e como a cerveja do almoço manteve meu estado entorpecido afastando a ressaca, mais algumas nos próximos 90 minutos então. Quase dormi nos 15 minutos do intervalo. Quase não, dormi na mesa do bar nos quinze minutos do intervalo. O jogo se arrastou pelo segundo tempo e a hora do meu ônibus partir já tava chegando. O inter ganhou e deu tempo d’eu alcançar o ônibus .

sentei num banco ao lado da janela, coloquei os fones no ouvido e apertei um play nos Rolling Stones. Um tempo depois acordo com a Ângela Rô Rô cantando "Meu mal é a birita", sorrio de canto, viro pro lado e volto a dormir.

23 de out de 2009

tempo até tenho, vontade é que anda difícil

caralho, faz muito tempo que não escrevo nada por aqui. e nem por lugar algum é bem verdade. até ando tendo algumas ideias enquanto circulo de ônibus pela cidade, ou quando torro minha grana em latões de brahma que insistem em me deixar com uma puta ressaca todas as manhãs quando levanto cedo. a maioria dos latões ainda tão jogado lá em cima da mesa. ando deixando as coisas tudo assim mesmo, jogadas num canto, em cima de algo, mas nada no seu lugar.

quando fui recolher o lixo hoje, fazia alguns dias que ele já transbordava, só senti latas de cerveja e um fedor de cinza quando fechei a sacola. tem tardes que a gente liga o foda-se de vez e passa bebendo, fumando e as vezes descola um cinema, ou uma parceria afim de fazer um tatuagem na hora, na pilha, no auge da piração.

e enquanto isso vou tendo algumas ideias e esquecendo várias na manhã seguinte. mas anda tudo tão arrastado que nem pra sentar nesse computador e escrever algo ta rolando. fazer o que né, acho que um dia isso vai mudar. uma hora a cabeça explode com tanta merda que a gente fica adubando ali dentro.

17 de out de 2009

uma pequena história

eram dez horas quando se encolheu na cama. as pernas cruzadas, as mãos entre as coxas e as costas arqueadas. antes colocou um disco do bob dylan num volume muito baixo, só para ter um ruído ao fundo. apagou as luzes. pronto, estava feita sua sexta-feira a noite.
agora, era só fechar os olhos e esperar que o tempo passasse.

13 de out de 2009

"carnaval inesquecível na cidade alta"

acordar cada dia do feriado em um canto diferente da casa sem saber como parei aqui. ou porque to sem roupa, ou porque ainda to de tênis. a úncia certeza é que a cabeça, todas as manhãs, vai tá ainda girando, latejando, e a garganta pedindo por água, ou outra cerveja, o que melhor convir.

12 de out de 2009

pro ego II

"valorizando quem sabe
...levar a vida fácil...
.fácil, fácil..."

5 de out de 2009

#35

até os jornais de hoje
com notícias de ontem
..............chegaram
....e eu
ainda nessa mesa de bar

3 de out de 2009

aquelas sextas que por mais que a gente chape, tudo em volta ainda é careta

uma sexta-feira a noite sem chuva, finalmente. depois de umas cervejas e um peça de teatro, outro bar e outras garrafas. na verdade acho que já faz umas seis horas que estamos por ai bebendo, andando dum bar pro outro, trocando algumas palavras, poucas risadas, acompanhados duma cara de sono.
pego um táxi pra voltar. os dez reais que me restam no bolso, pro resto do final de semana, não resistem ao trauma duma quase faca enfiada no estômago. ou das coronhadas que aquele cara recebeu essa noite por chutar um homem. gasto cinco e atravesso o viaduto mais fodido. em casa um pornô barato num canal aberto. gozo em cinco minutos.
tem algo mais deprimente que isso?