30 de nov de 2008

gil

lendo o bivar as sensações mudam, ou voltam, não sei
mas é bom pra caralho!!!

"É a mesma dança na sala, no Canecão, na TV
E quem não dança não fala, assiste a tudo e se cala
Não vê no meio da sala as relíquias do Brasil"

25 de nov de 2008

bruno bandido

"segunda-feira, dia primeiro de dezembro, entra no ar um novo site. quer dizer, um novo velho site. ele tem uns oito anos, mas sempre foi só de artes plásticas. o responsável é o artista Leandro Selister. que chamou seu sobrinho Ricardo Ara pra modificar o esquema. transformar o artewebbrasil. o Ara chamou eu e o Thiago Couto pra levar o projeto adiante. mudaremos o site. irá tirar o foco das artes plásticas e passará a dialogar com todos os tipos de expressões artísticas e cultura pop. na primeira leva, vocês poderão ler uma matéria sobre o Instituto de Artes da Ufrgs e reflexões sobre a arte, que o Couto e o Ara escreveram provocantemente. também estará lá uma longa conversa que o Ara e eu tivemos com Yanto Laitano na lancheria do parque. entrarão uma série de textos de colaboradores: o próprio leandro selister acho que vai escrever, a carol lá da argentina ficou de mandar umas matérias, eu vou botar um texto sobre o Tarso de Castro… e vai ter mais gente que vai escrever aí… e o que eu acho mais divertido é que todos os dias de segunda a sexta, terá uma tirinha nova, de uma boa equipe de 5 novos e excelentes cartunistas brasileiros. ah, e eu, como na segunda não vou estar mais no país, vou mandar de vez em quando textos que falem da minha viagem e coisas do tipo. o mais importante é que quem quiser colaborar, vai poder, mandando textos ou matérias que fazem sobre qualquer coisa de qualquer cidade. por isso, a partir do dia primeiro, entrem no artewebbrasil! "



16 de nov de 2008

até mais tarde

essa noite eu tomei banho pra ficar em casa
não liguei pros teus convites, não atendi tuas chamadas, não vi tuas mensagens
liguei pra alguns amigos que me disseram não
outros não estavam na cidade
e outros nunca foram daqui.
essa noite coloquei uma calça nova, o mesmo tênis velho
e acabei com a garrafa de vinho que comprei pra nós
rolava na cama sozinho, cantando alguma música da minha festa que só eu fui
essa noite eu sai pra caminhar, pra beber em algum bar, pra beijar em algum lugar
troquei conversas comigo mesmo, escolhi os discos que iriam tocar
e essa noite acabou comigo em casa
sozinho
com dois copos sujos de vinho
um cinzeiro virado na mesa
e eu dançando desengonçadamente uma música do cazuza ao amanhecer.