5 de mai de 2009

eu não me lembrava como era essa vida, mas ela volta, ela sempre volta

fazem cinco dias que ando por ai apenas com sete reais. é que desde que fui demitido não arrumei ninguém que pagasse pelas minhas idéias de trabalho. é bem verdade que não fiz muita questão de procurar, mas uma resposta negativa já meu deu a real. Meus pais viajaram, e como não tenho mais dinheiro tenho que voltar a viver das custas deles, e como já disse, eles viajaram, não me deixaram nada. Não sei quando eles voltam. Também não quero interromper. Pareçe que eles estão comemorando os vinte e cinco anos de casados e eu só existi depois de algum tempo disso, então é melhor deixar eles imaginarem como se fosse ha vinte cinco anos atrás, só os dois. Enquanto isso vou vivendo com esses sete reais, comendo pasteis baratos da Lancheria, me servindo de amigos para me pagarem uma bebida e levando.
A minha casa tá um lixo. garrafas de cerveja e cerveja pelo chão. cigarros, cinzeiros espalhados por todos os lados. meu vaso entupiu e a resistência do meu chuveiro estragou. Um balde de roupa suja e uma pilha de pratos pra lavar. geladeira vazia. Minha vida anda num pequeno caos desde que perdi o emprego. Não leio mais jornal - isso talvez para um jornalista não pegue tão bem. No site que estamos fazendo aproveito as entrevista para filar alguns cigarros e as vezes cerveja. um hollywood mentolado foi o último que consegui, valeu reny. é verdade também que as vezes me sinto sozinho vendo um filme, ou na cama acordado de madrugada. mas as coisas não andam ruins. muito pelo contrário, até to pensando em mudar de nome.

7 comentários:

Adriana Gehlen disse...

Limpa a casa pros Karmas se renovarem. Vai ficar tudo mais leve, e sim, mais claro ainda pra pensar numa solução.

Carolina Pires disse...

o final do texto ficou simplesmente sem comentários. viciei em ler teus escritos. como gosto de passar aqui e ler uma ideias, sentimentos, emoçoes, vontades, e afins, parecidos com os meus. Pena que nao consigo retratá-los, ainda. Enquanto isso, vivo escrevendo o que me vem na telha e o que tenho feito ultimamente, sempre com uma, duas ou três doses de ficção pra dar um leve sabor apimentado.
Não pare nunca de escrever! NUNCA!

Bj.

k a r e n disse...

essa bagunça me lembra tempos idos de um apartamento na felipe camarão.
Beijo

Gabriele Fidalgo disse...

Como você, sozinho na cama vendo um filme, me vi em cenas vividas há uns tempos. Na época minha mãe não tinha ido viajar, mas estava se casando de novo.
Por aqui essa fase já passou, mas adoro os textos que falam verdades como estas.

beijos e obrigada pelo comentário

Leslie disse...

Sei bem como é, ficar sem emprego é entediante, ficamos sem vontade para nada, mas não se deixe abater pq uma hora tudo melhora.
Tb já tive o mesmo pensamento, o de mudar de nome, às vezes ainda penso isso, mudar de nome e ir para um lugar onde nenhum me conheça, enfim...
Legal o teu blog!

brunobandido disse...

esse ficou um puta texto!

carolina disse...

essa era minha casa e minha situação no último feriado. a nossa diferença era o cigarro; aqui é só marlboro, e tenho dito!